terça-feira, 18 de setembro de 2012

Oração a Nossa Senhora do Desterro

Ó Bem-aventurada Virgem Maria, mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo Salvador do Mundo, Rainha do Céu e da Terra, advogada dos pecadores, auxiliadora dos cristãos, protetora dos pobres, consoladora dos tristes, amparo dos órfãos e viúvas, alívio das almas penantes, socorro dos aflitos, desterradora das indigências, das calamidades, dos inimigos corporais e espirituais, da morte cruel, dos tormentos eternos, de todo bicho e animal peçonhentos, dos maus pensamentos, dos sonhos pavorosos, das cenas terríveis e visões espantosas, do rigor do dia do juízo, das pragas, dos incêndios, desastres, bruxarias e maldições, dos malfeitores, ladrões, assaltantes e assassinos.
Minha amada mãe, eu prostrado agora aos vossos pés, com piedosíssimas lágrimas, cheio de arrependimento das minhas pesadas culpas, por vosso intermédio imploro perdão a Deus infinitamente bom.
Rogai ao vosso Divino Filho Jesus, por nossas famílias, para que ele desterre de nossas vidas todos estes males, nos dê perdão de nossos pecados e nos enriqueça com sua divina graça e misericórdia.
Cobri-nos com o vosso manto maternal, ó divina estrela dos montes. Desterrai de nós todos os males e maldições. Afugentai de nós a peste e o desassossego.
Possamos, por vosso intermédio, obter de Deus a cura de todas as doenças, encontrar as portas do Céu abertas e convosco ser felizes por toda a eternidade. Amém. 

terça-feira, 15 de maio de 2012

Litany of Saint Louise de Marillac

Lord, have mercy on us.
Jesus Christ, have mercy on us.
Lord, have mercy on us.
Christ, hear us.
Jesus Christ, graciously hear us.

Heavenly Father, You are God, have mercy on us.
Son, Redeemer of the world, who are God, have mercy on us.
Holy Spirit, who are God, have mercy on us.
Holy Trinity, who are one God, have mercy on us.
Holy Mary, pray for us.
Saint Vincent of Paul, pray for us.

Saint Louise, pray for us.
Saint Louise, glorious foundress of the Sisters of Charity.
Saint Louise, our sweetest mother.
Saint Louise, beloved of God.
Saint Louise burnt in the love of God.

Saint Louise, most beloved of Jesus in the Blessed Sacrament.
Saint Louise, most devout of Jesus and Mary.
Saint Louise, excited great love for the poor.
Saint Louise, tireless servant of the poor.
Saint Louise, strong woman, happily found.
Saint Louise, with admirable courage in illness.

Saint Louise, most constant in fasting and prayers.
Saint Louise, endowed with inviolable obedience.
Saint Louise, resplendent in poverty and humility.
Saint Louise, master formed in quiet retreat.
Saint Louise, hands and a pure heart.
Saint Louise, model of all virtues.
Saint Louise, beautifully adorned with good works.
Saint Louise, beloved of God and of mankind.
Saint Louise, crowned with glory and honor.

Lamb of God, who taketh away the sins of the world,
Forgive us Lord.

Lamb of God who takes away the sins of the world,
Lord hear us.

Lamb of God who takes away the sins of the world,
Have mercy on us.


Prayer of Saint Louise de Marillac

Saint Louise de Marillac, who have known both suffering from the constraints of family, because you were deprived of the freedom to live your true calling to you to marry and thus suffered the bitterness of the difficulties in every way, intercede you with God to parents of our young people to know respecting the vocation that each one carries within himself, in the dignity and the right that God gives them.
Saint Louise de Marillac, who you were honored with the friendship of two famous priests who lived in the sanctity, Saint Francis of Sales and Saint Vincent of Paul, they who in the most important moments of your life, they showed to you a great light when you were in the dead end and could you live your vocation as helper of the poor, sick and unhappy. You founded with Saint Vincent of Paul the first nucleus of the Daughters of Charity, pray for us so that we do not live a life centered in ourselves, but on the needs so frequent  of our suffering brethren.
Through Christ our Lord.

The History of Saint Louise de Marillac

15 March - Patron of Social Work and Social Workers.

“What good is it, my brothers and sisters, if someone claims to have faith but has no deeds? Can such faith save them? Suppose a brother or a sister is without clothes and daily food. If one of you says to them, “Go in peace; keep warm and well fed,” but does nothing about their physical needs, what good is it? In the same way, faith by itself, if it is not accompanied by action, is dead.” (James 2, 14-17).
The church gives honors in its saints the manifestation of the Holy Spirit and the outpouring of His gifts and charismas of the most diverse forms. They are the heroes of faith who lived in hope and charity. They fully manifested the love of Christ in others.
France in the late sixteenth century was the scene of one of the saddest times in its history. The Civil War in 1590 brought to the French misery, famine, disasters, diseases and epidemics. Rich and poor, large and small, all suffered from the situation. The struggle for survival led the inhabitants of Paris to seek alternative forms of food, not always salubrious: herbs, rats, etc... The History records that more than 50,000 people died of starvation.
The Marillac Family, of noble lineage of the High Auvergne, a mountainous region of central France, had as a representative the illustrious Luis Marillac. In the year 1590, Louis de Marillac, who was widowed and childless, got married Marguerite Le Camus. On August 12, 1591, Louise de Marillac was born, a frail girl who needed a lot of care. Miss Marguerite could not stand the hard labors of childbirth and comes to die hours later. Inconsolable, Luis takes his girl in her arms and with she shares their pain and love. Over the years, Luis, feeling the weight of loneliness and longing for better care to Louise, agrees to marry the sister of Marguerite, who had been widowed with four children. Aunt Antoinette, not wanting to have work with Louise, convinces Luis to take her to the care of Dominican sisters. There, our girl was educated in the faith, and was reading the lives of the saints who she found comfort. The economic situation of Mr. Luis was, like that of all France, greatly impaired, and to avoid spending, Louise is taken from the convent. So, she was given to the care of a widow, where the pension was cheaper. Louise is instructed by the widow and landlady, always obedient and zealous in both studies as in the works.
During that time she felt in his heart the desire to become religious. Honorius onorius argued that his poor health would not stand the rigors of a disciplinary monastery. A stroke of pain! Louise loses her father in early adolescence. Miguel, brother of Louis, became his guardian and took Louise to live in his palace. Everything was very luxurious and refined. Louise, though he loves his uncle, he felt embarrassed in the midst of such luxury. There was a big party at the court, one of the most luxurious banquets. The young Louise charmed everyone with her simplicity and beauty. Antoine Le Gras, noble gentleman, fell in love with her. Mr. Antoine seeking Mr. Miguel and exposes their intentions to marry Louise. Our young girl, although you want to follow the religious life, accepted the proposal and marriage to please his uncle. Louise was 22 when she married Antoine Le Gras, at St. Gervais in Paris. Shortly thereafter, the following year, was born the first son of the couple, who receives the name of Michel Antoine. Ms. Louise is all devotion to her beloved husband, her son, the house, and always found time for the poor and underprivileged.
Antoine always traveled widely in the service, and Louise was always tireless in visiting the sick, washing their wounds and brings food, clothes and all that was necessary. One day, after a long trip, Antoine brought home, after consulting his wife, seven children of a couple of relatives who had died. Mr. Le Gras became seriously ill, being forced to leave work at the court. So, Louise assumes all responsibility for the house and the husband's business. Another stroke of pain! Mr. Antoine Le Gras died, with 45 years of age on December 21, 1625. Louise is a widow aged 34. Counseled by the Bishop of Belley, he met Father Vincent de Paul, rough-looking man, but simple ways of strong character and extreme kindness. "We must never lose sight of the divine model! We must see Jesus Christ in the poor, the poor and see the image of Christ "was the first board of Father Vincent to Louise de Marillac. Louise was enchanted with the life and mission of Vincent de Paul. His son Miguel Antonio begins studies at the seminary and she will live in a rented house. Louise meets the noble ladies of society and they will form a large army of volunteers.
It was then that Father Vincent and Louise founded the Brotherhoods of Charity. Louise started to target them under the direction of Father Vincent. Many young girls wanted to join to the ladies of the confraternities of charity. Louise welcomed and taught to all, at his home in St. Victor Street.
In November 1633, Father Vincent gives a new meaning to the ladies. Thus began the company of the daughters of charity, making vows of poverty, obedience and chastity. The Daughters of Charity visited the prisoners, serve the helpless elderly, abandoned children, etc.; the action field was vast. It is known that the health status of people in that time was so difficult e precarious. The plagues and epidemics were frequent and deadly. Daughters of Charity were dedicated to the most suffered. The abandoned children were taken off the streets by Louise and she gave them to the care for wealthy families. Louise has initiated process of future custody and adoptions for a multitude of orphans. Louise visited the houses to meet the reality of future parents of those children.
Louise de Marillac, a tireless warrior woman of love and charity, she made of her life a pilgrimage through the streets of Paris and of world, always giving support, nurturing, educating and comfort to the poor. His son became a lawyer always working for the common good. The Daughters of Charity are scattered all over the world, serving in hospitals, nursing homes, schools, shelters for minors, sanatoriums, etc... always bringing the love and the will of St. Vincent de Paul and Saint Louise de Marillac. On March 15, 1660, at age 69, Louise de Marillac says goodbye to his sisters and his life saying: “Be very careful, my daughters, with the service to the poor.”
St. Vincent, very old, could not attend the funeral of Louise. He died on 27 September of that year. “You know that the poor are our masters and master and we must love them with tenderness and respect them deeply”. May the example of love and gift of Louise de Marillac inspire us in doing good and help us achieve bliss. Saint Louise chose to defend the life from conception, accepting poor single mothers and pregnant women, elderly and sick people!
Therefore choose life you too!
Peace and Good!


sábado, 4 de junho de 2011

Oração a Jesus no Santíssimo Sacramento

Senhor meu Jesus Cristo, estais noite e dia neste Sacramento, todo cheio de piedade e de amor, esperando, chamando e recebendo a todos os que vêm visitar-vos. Creio que estais presente no Santíssimo Sacramento do Altar. Adoro-vos e vos dou graças por todos os benefícios que me tendes feito, especialmente por vos terdes dado a mim neste Sacramento, e por me terdes concedido vossa Mãe, Maria Santíssima.

Quero vos dar graças por este grande presente e amar-vos pelos que não vos amam. Meu Jesus, amo-vos de todo o meu coração; arrependo-me de ter tantas vezes ofendido a vossa infinita bondade.

Proponho, com vossa graça, não mais vos ofender. E agora me consagro todo a vós; entrego minha própria vontade, meus afetos e tudo que é meu. Só quero vosso santo amor, a perseverança final e o perfeito cumprimento de vossa vontade. Quero estar unido ao vosso amor e assim estaremos unidos ao vosso Pai Eterno, pedindo em vosso nome que os queira aceitar e atender. Amém.

Santo Afonso Maria de Ligório

terça-feira, 17 de maio de 2011

Beato João Paulo II - Oração

"Ó Trindade Santa, nós vos agradecemos por ter dado à Igreja o Papa João Paulo II e por ter feito resplandecer nele a ternura da vossa Paternidade, a glória da cruz de Cristo e o esplendor do Espírito de Amor. Confiando totalmente na vossa infinita misericórdia e na materna intercessão de Maria, ele foi para nós uma imagem viva de Jesus Bom Pastor, indicando-nos a santidade como a mais alta virtude da vida cristã ordinária, caminho para alcançar a comunhão eterna convosco. Segundo a vossa vontade, concedei-nos por sua intercessão, a graça que imploramos, na esperança de que ele seja logo inscrito no número dos vossos santos. Amém."

Fonte: Revista Canção Nova, Ano X, Nº 124, Maio de 2011
Autor da oração: não informado nesta revista

Imagem: Revista Canção Nova, Ano X, Nº 124, Maio de 2011 (contracapa)

segunda-feira, 11 de abril de 2011


Há milhares de anos os muros têm feito parte da vida humana. Em todos os sentidos, seja denotativo ou seja conotativo. De acordo com a definição do dicionário Michaelis, muro é “parede forte que veda ou protege um recinto ou separa um lugar de outro”, sendo também “defesa, proteção” e, finalmente, é “motivo que separou ou malquistou duas pessoas”.

Assim, sabemos que é uma forma de proteger um determinado local ou de separar dois lugares entre si. Também pode, neste sentido, servir para esconder algo da vista externa ou impedir que o que se encontra no interior possa sair. Por outro lado, sabemos também que o muro pode ser um motivo qualquer que causa a separação entre duas ou mais pessoas. Neste caso, o muro ainda mantém suas características ligadas à proteção, à separação e à preservação. O que muda é que tudo se dá no campo abstrato dos sentimentos humanos e não mais no campo florido, ou não, da realidade física.

Tratemos, pois, ao longo destes próximos parágrafos, de efetuar uma pequena análise do muro através das similaridades entre estes dois sentidos tão opostos e tão complementares. Muitas vezes, existem campos espaçosos cuja superfície se cobre de flores no tempo apropriado. Não havendo um muro, tudo então se mistura. É como se as flores avançassem de um lado para o outro, rumando para as casas em busca dos corações das pessoas. Contudo, se alguém de repente ergue um muro no meio do terreno, provoca então a ruptura na paisagem ao separar as flores umas da outras. Elas tentarão avançar de um lado para outro do muro, mas não poderão atravessá-lo. E, aquelas que ficarem muito próximas, acabam sendo abafadas pelas sombras do muro e algumas nunca chegam a desabrochar. Há pessoas que gostam de muros como este, o qual vem para separar e, em conseqüência, ferir a paisagem. Essas pessoas, de tempos em tempos, empenham-se em manter o muro sempre conservado e não poupam esforços em sempre repor as pedras que porventura tenham saído de seus lugares. Afinal, “good fences make good neighbors.” Neste caso, é um muro de morte, cuja sombra será sempre uma sombra de morte e não de descanso. Ora, a morte é, de certa forma, a separação mais dolorosa, uma vez que não há possibilidade de impedi-la. Assim, crendo que um bom muro é o que faz um bom vizinho, o que na verdade se está fazendo é uma separação do espírito humano que é, naturalmente, voltado ao convívio e não ao isolamento.

Quando o ser humano se põe a consertar os muros que ele próprio levantou para se proteger ou se isolar de si mesmo, ele está abrindo mão de algo que é intrínseco à sua natureza, isto é, está abandonando a noção de viver em bando, a qual é o mais comum modo de viver entre os mamíferos. Robert Frost afirma que “o muro está onde dele não precisamos”. E diz ainda mais com uma dolorosa ironia que “as minhas macieiras nunca cruzarão a divisa para comer as frutas de seus pinheiros”. Ora, se não há necessidade de muros, então para quê erguê-los? Afinal, pés de maçãs não se arrancam do chão para devorar frutos de pinheiros! O que acontece é que muitos acreditam que os muros servem para proteger o que não precisa de proteção, mas tão somente de viver em paz em meio ao que é diferente. Macieiras e pinheiros são espécies diferentes, mas que podem viver perfeitamente juntas sem nada que as separe. Um pinheiro não machuca uma macieira e nem esta morde no galho mais baixo dele. Mas as pessoas, muitas vezes, não acreditam nisso e acham melhor separar tudo com um bom muro.

Às vezes, construir e manter um muro torna-se algo até mesmo imprescindível do cotidiano de muitas pessoas. Charles Fenyvesi acredita que “muros emolduram o mundo” e ainda que “que fazem muito sentido as divisões que produzem”. Sua maneira de ver o mundo dividido por muros é tida como algo natural e comum, sendo benéfico para o bom funcionamento da sociedade. Esta maneira de pensar faz eco ao pensamento do vizinho referido por Frost em seu poema, já que este acredita que bons muros fazem bons vizinhos. Contudo, é preciso ressaltar que os muros deste último caso apresentam características mais ligadas à sua utilidade para servir às pessoas e, não explicitamente, como forma de apenas separá-las. Para o autor, os muros podem criar um lugar para os lírios e outras flores, bem como criar ainda um local onde as crianças podem brincar uma vez que delimitam o seu espaço e o espaço das flores. Sua relação com os muros mostra-se contraditória quando afirma que muros não são para levantar divisas, mas “são para juntar, para construir e para lembrar”.

Muros, na maior parte das vezes, são feitos de pedras. Se não são feitos de rochas sólidas, o material de que são feitos tem origem nas pedras. Cimento, areia, cal ou barro são retirados das pedras, seja através de processos industriais ou através do processo natural de erosão das rochas. Assim, há uma relação estreita entre as pedras e os muros. Se um muro for feito de pedras, elas precisam antes ser ajuntadas para que então possam dar forma à construção do mesmo. Entretanto, podem ser ajuntadas também para outras finalidades, como veremos mais adiante.

Os muros cercam as cidades e cercam as pessoas. Da mesma forma em que são construídos muros em torno das cidades, as pessoas constroem muros em torno de si. E para quê o fazem? Inúmeras são as razões mas, dentre todas, talvez a mais simples seja apenas para proteção. As pessoas, homens e mulheres, precisam de proteção e crêem que o isolamento pode proporcionar-lhes isto. Erguem, durante a vida inteira, altos muros em torno de si, numa tentativa desesperada de manterem-se vivas. Enquanto estão cercadas por muros altos, dizem abertamente “I don’t need arms around me”! Esta afirmação, contudo, está carregada de contradição, já que tudo de que realmente precisam é apenas de braços que as acolham e envolvam com ternura. “I have seen the writing on the wall”, ainda falam e terminan afirmando desesperadamente que “No, don’t think I’ll need anything at all”. Mas precisam, e como precisam de alguém ou de algo em que apoiar suas vidas ou dar-lhes um sentido de ser.

A proteção de que muitas pessoas precisam, da mesma forma como o personagem do filme The Wall, realizado a partir da canção homônima, realiza-se na busca por relacionamentos estáveis. O personagem aqui referido teve sua vida marcada, por um lado, pela ausência do pai, e por outro lado, pela presença sufocante da mãe, como percebemos em “mama’s gonna keep baby healthy and clean”. Ou, ainda, pela tentativa da mãe em fazer ao mesmo tempo a figura materna e paterna. Esta situação acaba por encerrar o personagem dentro de um muro sufocante, que o impede de dar continuidade à sua vida de forma saudável. Os relacionamentos amorosos dele tornam-se dependentes da validação ou não efetuada pela mãe. A indagação expressa em “mother, do you think she’s dangerous to me” é carregada de uma extrema dependência da vontade materna. Parece ter havido uma castração da vontade do personagem, o qual teve como opção única o isolar-se dentro de muros.

The Wall ainda aborda temas que passam pela repressão social e política, pelo uso de drogas, pela dificuldade da realização amorosa e sexual, pela maneira como a morte é vista e vão até à constatação da insignificância da condição humana diante do desafio de viver. Todo este processo dinâmico e doloroso perfaz a vida de homens e mulheres desde o seu início até ao seu final. Os muros, então, são metáforas nas quais tudo isso se manifesta de forma cruenta e desnuda a condição humana em sua miséria absoluta?

Ao final do filme, o que resta é uma sensação de terrível catarse, em que houve uma purgação que repugna e desconcerta o pensamento. Então, permanece o eco sombrio de que “all in all it’s just another brick in the wall”. E, também, uma vontade infinita de quebrar o muro e abraçar a liberdade. Depois de quebrado, juntar suas pedras e nelas subir!

Cora Coralina foi feliz ao afirmar “ajuntei todas as pedras que vieram sobre mim”, já que então ela deu outra finalidade às pedras ajuntadas. A poetisa prossegue dizendo “levantei uma escada muito alta e no alto subi”. Ora, e para quê subir no alto? Primeiramente, para poder enxergar mais longe e, assim, entender melhor o mundo em que se está inserido. Quando se vê mais longe, a mente também vai mais além e tudo passa a ter um significado diferente. Estando no alto, recebe-se mais luz de todos os lados. Transpondo este raciocínio, pode-se dizer que estando no alto, é possível uma interação maior na aquisição do conhecimento e, então, ocorre uma expansão considerável da mente humana no sentido de compreender o mundo. Neste caso, ajuntar pedras para que nelas se possa subir passa a ser algo desejável e útil para o ser humano.

Ajuntar pedras simplesmente para ajuntar não tem sentido nem utilidade nenhuma. Deparar-se de repente com uma pedra e não fazer nada, ou apenas dela desviar, também não tem sentido. Se a pedra estiver num determinado lugar e lá permanecer não modifica as atitudes diante da vida. O que provoca a modificação é a utilização da pedra para fazer algo útil, seja um monte para nele subir ou um muro. Em tempo, muros também podem ser usados para neles se subir e ver mais distante. As crianças entendem bem disso!

Cora Coralina afirma que sua vida “cresceu entre pedras”, sendo que a mesma foi passada “quebrando pedras e plantando flores”. Imagem esta contraditória, uma vez que traz em si a idéia de dificuldades e dores ao mesmo tempo em que traz a noção de uma crença profunda e uma esperança perene na vida. Ora, quem se dedica ao trabalho de plantar flores, na verdade, precisa entregar-se a uma maneira positiva de viver a vida, embora saiba perfeitamente que é preciso quebrar as pedras que surgirem. Neste sentido, percebe-se novamente que as pedras não são deixadas inertes no lugar em que estão. Elas são quebradas! E a poetisa não questiona se são muitas ou se são duras; ela apenas as quebra e segue plantando flores.

Manoel de Barros, emprestando sua voz à pedra, ou assumindo a voz da pedra, depende de como pode ser vista a situação, reconhece o gosto em ser pedra. E percebe-se mais uma vez que se trata de uma pedra útil e que tem um propósito em existir e em ser. É uma pedra que realiza uma interação constante com o mundo em que está inserida, já que animais dela se utilizam, o sol e a lua banham-na com seus raios e os pássaros ocupam-na o tempo todo.

Erguer e derrubar muros parece ser algo intrínseco à natureza humana. Uns levantam, outros põem abaixo, num processo contínuo que atravessa a história da humanidade. Os muros de Jericó foram derrubados por fora; o muro de Berlim foi derrubado simultaneamente por quem estava de dentro e por quem estava de fora; os americanos ergueram uma cerca, que é também uma forma de muro, para impedir que os mexicanos atravessem suas fronteiras; as cidades antigas e medievais eram cercadas por muros dentro dos quais se espremiam as pessoas em ambientes insalubres. Enquanto assim é na realidade física, em seu íntimo cada homem e cada mulher sempre tiveram muros constantemente construídos e destruídos ao longo da vida.

Talvez por estarem assim tão estreitamente ligados à história humana é que o muro tenha sido tema de tantos artistas, poetas, escritores, pintores e filósofos. O muro é algo carregado de simbolismo, já que traz em si a noção de proteção e, simultaneamente, de separação. Para algumas pessoas, é algo essencial e deve ser sempre construído e mantido firmemente em pé; para outras, trata-se de algo que serve tão somente para segregar e deve ser destruído, já que simboliza uma maneira de tolher a liberdade.

Além destes aspectos, o muro carrega em si a noção de delimitar, ou seja, um muro significa o limite até onde pode chegar o meu “eu” sem invadir o espaço do “eu” do meu próximo. Assim, o muro delimita os espaços do sujeito em sua interação constante com o outro. Neste sentido, faz-se necessário ressaltar que esta interação se refere tanto às relações sociais, políticas e econômicas quanto às relações emocionais, psicológicas e afetivas.

Enfim, o que podemos dizer depois de todas estas reflexões? Será o muro um mal necessário para tornar possível a existência da convivência humana? Ou será o muro algo bom e fundamental para que o ser humano possa desenvolver interações consigo mesmo e com o outro de forma sadia? Precisamos mesmo erguer mais muros? Ou temos mais é que por abaixo os tantos que já existem?

Nilson Antônio da Silva

quinta-feira, 10 de março de 2011

Quando Termina Uma Amizade?

Pode ser que, diante dessa pergunta, muitas respostas tenham vindo à sua cabeça: Quando há traição; quando uma das pessoas se muda para outra cidade; quando a outra pessoa começa a namorar; quando um se decepciona com o outro. Enfim, uma série de conclusões prontas que não chegam nem perto da resposta mais acertada. Todos os motivos que foram citados não são determinantes para uma amizade terminar, pois se esta é verdadeira, ela está fundamentada no amor e o verdadeiro amor supera tudo. Mas, infelizmente, há uma razão bem concreta para uma amizade terminar: quando ela deixa de ser amizade!

Já apresentamos muitas definições para esse relacionamento fundamental entre as pessoas. Para nós, a melhor expressão para classificá-lo é dom de Deus. E justamente por ser um dom de Deus a amizade é irrevogável (cf. Rm 11,29).

Então perguntar sobre o fim de uma verdadeira amizade é contradizer tudo isso? Pelo contrário, é justamente reforçar essas ideias; é voltar a afirmar que esse relacionamento, mesmo que verdadeiro e originado em Deus, só acaba quando ele deixa de ser e se descaracteriza.

Alguém pode nos dar um presente e nunca tentar tomá-lo de volta. Mas nós podemos pegar esse lindo presente e jogá-lo na parede, quebrá-lo, estragá-lo. É exatamente isso que acontece com o dom , que é um amigo. Deus não o toma; nós que estragamos tudo. É por isso que vemos muita coisa sendo chamada de amizade, sem o ser na realidade. Caricaturas de um dom tão precioso que o Senhor nos concede para nos aproximar mais d’Ele.

A missão principal de um amigo é levar o outro cada vez mais para o Senhor. Quando isso deixa de acontecer, já não se trata mais de uma amizade verdadeira. Podem até chamá-la dessa forma, mas, na verdade, muitas vezes, não passa de apego, conveniência, interesse, carência mútua, codependência afetiva, status social, coleguismo, sociedade, associação ou qualquer outra nomenclatura para relacionamentos afetivos que não ultrapassam a sensibilidade, as emoções, os interesses pessoais, sejam eles os mais nobres ou os mais deploráveis, mas, independentemente disso, se limitam exclusivamente aos nossos interesses.

Esses tipos de relacionamento realmente acabam, pois estão baseados em propósitos, em metas – positivas ou não – que se esgotam com o passar do tempo. Quando se alcança o objetivo definido, os que estão envolvidos naturalmente se separam e tudo acaba. Quando a essas relações muito sentimento é associado, o estrago é muito maior. Quem está envolvido não consegue ou não quer enxergar que aquele relacionamento é prejudicial e insiste em seguir adiante só se machucando e ferindo a outra pessoa. Tudo se reduz a uma compensação de carências; feridas que se encontram e só crescem juntas; um sentimento de posse destrutivo em graus menores ou maiores; nada que se aproxime do dom de Deus.

Uma amizade verdadeira, sólida no Senhor, não acaba, pois, como afirma Santa Catarina de Sena: “A amizade cuja fonte é Deus jamais se esgota”. É dom do Pai, por isso se renova todos os dias pela ação do Espírito Santo; sempre renovada n’Ele, que a todo momento faz nova todas as coisas (cf. Ap 21,5). Fundamentada no Senhor, ela é expressão concreta – mesmo que limitada – do Seu amor que “é paciente, não é interesseiro, não se encoleriza, não leva em conta o mal sofrido, não se alegra com a injustiça, tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor que jamais acabará” (cf. I Cor 13,4-8).

Se ao ler esse texto você disser que a sua amizade acabou, algumas perguntas você deverá se fazer: Era realmente uma amizade verdadeira? Que frutos esse relacionamento gerou na sua vida: frutos bons ou frutos maus? Acabou mesmo ou está passando pelo processo normal de purificação, pelo qual todo relacionamento passa para amadurecer? Ou pior: por causa das dificuldades, dos sofrimentos do amadurecer, você preferiu, por fraqueza, desistir do dom que Deus lhe deu? É preciso ter coragem para se olhar no espelho e se questionar, fazê-lo pode trazer uma nova luz para a sua vida.

Se acabou, talvez essa amizade não fosse verdadeira, não passasse de uma caricatura. Mas se é mesmo um dom do céu para a sua vida, que o próprio Deus lhe concedeu, não desista e – como Jesus – pague o preço do amor verdadeiro: ame até o fim. Ele, que é a Verdade, iluminará seus passos e lhe ensinará a viver uma amizade de verdade.

Seu irmão,

Renan Félix

Renan Félix é seminarista e consagrado da Canção Nova.
Este texto encontra-se disponível em:

Para conhecer mais a obra de Renan Félix, acesse o seu blog “Não Há Tempo a Perder” neste link:

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Setor Juventude lança subsídio que ajuda na realização das Jornadas Diocesanas da Juventude

O subsidio será lançado pelas Edições CNBB e foi elaborado sob a coordenação do bispo referencial do Setor Juventude, da CNBB, dom Eduardo Pinheiro e do assessor da Comissão, padre Carlos Sávio Ribeiro. A assessoria aos jovens foi feita pelo estudioso das Jornadas Mundiais da Juventude, Erofilho Cardozo, e pela assessora do Setor Universidades da CNBB, irmã Maria Eugênia Lloris.

O material de 2011 visa ajudar os jovens a se prepararem para a celebração da Jornada Diocesana da Juventude e tem como subtítulo o tema da Jornada Mundial da Juventude, que acontece em Madri, na Espanha, no mês de agosto.

O subsídio dá dicas e sugestões para essa preparação, abrindo espaço para a criatividade e a adaptação às realidades dos jovens. O documento propõe a realização de três encontros: primeiro, enfocando a relação pessoal com Jesus Cristo. Segundo, dedicado à vivência do jovem na Igreja e, por último, voltado à atuação do jovem cristão na sociedade.

São apresentadas sugestões práticas para que a juventude possa conhecer a profundidade das mensagens bíblicas e experimentar a riqueza da espiritualidade celebrada nas jornadas e testemunhar o amor de Cristo no mundo hoje.

“Fruto do trabalho de jovens representantes das várias expressões eclesiais da juventude de todo o Brasil, o subsídio Jornada Diocesana da Juventude 2011 – ‘Enraizados e edificados em Cristo, firmes na fé’ (cf. Cl 2,7) tem como objetivo criar uma caminhada de formação e preparação para um novo tempo de evangelização da juventude brasileira”, destacou o assessor do Setor Juventude da CNBB, padre Carlos Sávio.

“Esse será o primeiro texto de uma coleção produzida para ajudar os jovens a caminhar em unidade pastoral, temática e celebrativa com a Igreja que, em diferentes partes do mundo, vivencia a diversidade na celebração da unidade pelas Jornadas Diocesanas da Juventude (JDJ)”, completou o assessor.

O subsídio Jornada Diocesana da Juventude 2011 pode ser adquirido direto no site das Edições CNBB (www.edicoescnbb.com.br), pelo telefone (61) 2193-3019 e pelo e-mail vendas@edicoescnbb.com.br
Fonte: Reprodução de texto para divulgação distribuído pelo Setor Juventude da CNBB

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Oração a Nossa Senhora da Assunção

Ó Incomparável Senhora dos Impossíveis, Mãe de Deus, Rainha dos anjos, Advogada dos pecadores, Refúgio e Consolação dos aflitos, livrai-nos de tudo o que possa ofender-vos e a vosso Santíssimo Filho, nosso Redentor e querido Jesus Cristo. Virgem bendita, daí proteção a mim e a minha família das doenças, da fome, do assalto, dos raios e de outros perigos que possam nos atingir. Soberana Senhora, dirigi-nos em todos os negócios espirituais e temporais. Livrai-nos das tentações do demônio para que trilhando o caminho da virtude, pelos merecimentos de vossa puríssima Virgindade e o preciosíssimo sangue de vosso Filho, possamos vos ver, amar e gozar da eterna glória, por todos os séculos. Amém.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Quando Começa Uma Amizade?

Renan Félix

Talvez essa seja a grande pergunta que incomoda tanto aqueles que têm amigos quanto aqueles que querem vir a ter um. Os que os têm querem entender de que forma alguém ganhou tanto espaço em sua vida; os que não os têm, querem saber como um amigo pode surgir em sua vida.

Por experiência própria, posso afirmar que amigo nunca é alguém que você escolhe. Amizade é dom, vem de Deus e por isso mesmo, muitas vezes, se manifesta em nossas vidas de maneira surpreendente. Quando você vê, pronto: ganhou um amigo!

Todo o processo de amizade é um processo de separação, de sacralização. Uma mesa qualquer é uma mesa qualquer. Mas uma mesa separada para a celebração da Santa Missa, não é uma mesa qualquer, mas um altar. Ela foi separada para o sagrado. Da mesma forma, um amigo é alguém que era comum, apenas um irmão, mas foi separado para o que há de mais especial em nosso interior. Ele saiu do comum e foi colocado no santuário do nosso coração. Nele nós depositamos o que há de mais sagrado do nosso ser, sem medo de que seja usado contra nós ou que não seja dado o devido valor. Uma amizade é sagrada por trazer em si o que há de mais santo no coração de duas pessoas. Ela comporta o intocável, aquilo que não se consegue dizer, mas apenas viver e sentir.

É bonito perceber que quando alguém vai sendo formado por Deus, para ser seu amigo, as coisas que dizem respeito a essa pessoa ganham peso e têm importância na sua vida. O que ela vive é importante e não passa despercebido. As alegrias dela são as suas alegrias; as tristezas dela são as suas tristezas. Não há mais como viver impassível ao que ela vive. Você vive na sua alma aquilo que o outro vive na carne.

Amizade é um processo que pode ser construído com anos ou com minutos. O tempo não importa quando falamos de amigos. Amizade não conhece tempo, porque é dom, é graça de Deus. Ela vive em um período de graça que você não sabe quando começou nem quando vai acabar. Vive em um tempo que não tem tempo. Quando você percebe, aquele que até então era só mais um, traz agora uma visão sua que você mesmo não conseguia ver. Ele entrou, faz parte e não há como dividir, como separar. Como dizia Santo Agostinho: “Um amigo é metade da alma”.

Quando começa uma amizade? Quando eu paro de buscá-la por mim mesmo e deixo Deus me surpreender com o que Ele tem de melhor. Ele vem e não me deixa caminhar sozinho. Ele me dá um companheiro de viagem, alguém que possa olhar e entender tudo o que se passa comigo, sem que eu necessite lhe dizer uma só palavra. Como Amigo, Deus me dá um amigo.

Seu amigo,

Renan Félix

Renan Félix é seminarista e consagrado da Canção Nova.
Este texto encontra-se disponível em:

Para conhecer mais a obra de Renan Félix, acesse o seu blog “Não Há Tempo a Perder” neste link:

quarta-feira, 2 de junho de 2010

A Mediação de Maria

A mediação e a intercessão de Nossa Senhora por nós, diante de Deus, não é uma mediação “substitutiva” ou “paralela” à de Jesus, mas, ao contrário, acontece com base na única mediação de Cristo, homem e Deus, Sumo Pontífice (ponte) entre Deus e os homens. Sem esta, todas as outras mediações não teriam eficácia. É uma mediação cooperadora, subordinada. Jesus não quis salvar o mundo sozinho; Ele quis e quer a nossa ajuda e cooperação, tanto em termos de trabalho como de oração; especialmente de Sua Mãe. O Concílio Vaticano II, na Lumen Gentium, explica-nos bem como é a mediação de Nossa Senhora diante de Deus. “A maternidade de Maria na dispensação da graça perdura ininterruptamente a partir do consentimento que ela fielmente prestou na Anunciação, que sob a Cruz ela resolutamente manteve, e manterá até a perpétua consumação de todos os eleitos. Assumida aos céus, não abandonou esta salvífica função, mas por sua múltipla intercessão continua a granjear-nos os dons da salvação eterna. Por seu maternal amor cuida dos irmãos do seu Filho que ainda peregrinam rodeados de perigos e dificuldades, até que sejam conduzidos à feliz pátria.”

“Por isso a bem-aventurada Virgem Maria é invocada na Igreja sob os títulos de Advogada, Auxiliadora, Protetora, Medianeira. Isto, porém, se entende de tal modo que nada derrogue, nada acrescente à dignidade e eficácia de Cristo, o único Mediador.”

“Com efeito, nenhuma criatura jamais pode ser colocada no mesmo plano com o Verbo Encarnado e Redentor. Mas, como o sacerdócio de Cristo é participado de vários modos, seja pelos ministros, seja pelo povo fiel, e como a indivisa bondade de Deus é realmente difundida nas criaturas de maneiras diversas, assim também a única mediação do Redentor não exclui, mas suscita nas criaturas cooperações diversas, que participam de uma única fonte.” E continua: “A Igreja não hesita em proclamar essa função subordinada de Maria. Pois sempre de novo experimenta e recomenda-se ao coração dos fiéis para que, encorajados por esta maternal proteção, mais intimamente deem sua adesão ao Mediador e Salvador” (LG, nº 62). O Papa Paulo VI, em sua Exortação Apostólica Signum Magnum nº 1, escreveu: “A Virgem continua agora no céu a exercer a sua função materna, cooperando para o nascimento e o desenvolvimento da vida divina em cada uma das almas dos homens redimidos. É esta uma verdade muito reconfortante, que, por livre disposição de Deus sapientíssimo, faz parte do mistério da salvação dos homens; por conseguinte, deve ser objeto da fé de todos os cristãos.”

Desde os primeiros séculos os cristãos que enfrentavam o martírio já se recomendavam a Nossa Senhora, rezando: “Debaixo da vossa proteção nos refugiamos, ó Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, virgem gloriosa e bendita.”

Prof. Felipe Aquino

Revista Canção Nova, Ano IX, Nº 114, página 17, Junho de 2010

quinta-feira, 13 de maio de 2010

"Há ervas daninhas precisamente no interior da Igreja"

"Bento XVI voltou a condenar os casos de pedofilia que envolvem a hierarquia católica, afirmando que "há ervas daninhas precisamente no interior da Igreja", numa mensagem enviada às Jornadas Ecumênicas Alemãs, o maior encontro mundial de católicos e protestantes.

"Nos últimos meses fomos confrontados com novas notícias que nos querem tirar a alegria pela Igreja e ensombrá-la como local de esperança", afirma o Papa na missiva divulgada pelos organizadores das Jornadas Ecumênicas, que decorrem em Munique até domingo e onde são esperadas 700 mil pessoas.

Bento XVI acrescenta que "há ervas daninhas precisamente no interior da Igreja e entre os que o Senhor aceitou ao seu serviço, de forma especial".

O Papa sublinha, porém que "a luz de Deus não se apagou e o bom trigo não foi sufocado pelas ervas daninhas" e que "a Igreja continua a ser um local de esperança, porque leva Deus aos Homens e lhes mostra o caminho da fé".

Esta é a segunda vez em poucos dias que o Papa se refere aos casos de pedofilia que têm afetado a Igreja Católica, depois de na terça-feira ter reconhecido que a "maior perseguição à Igreja" não vem de "inimigos de fora, mas nasce do pecado da Igreja".

No voo que o transportou de Roma até Lisboa, Bento XVI foi claro ao dizer aos jornalistas que "a Igreja tem uma profunda necessidade de reaprender a penitência, de aceitar a purificação, implorar perdão".

Os ataques ao Papa e à Igreja não vêm só de fora, os sofrimentos da Igreja vêm do seu próprio interior, "do pecado que existe na Igreja", declarou.

Bento XVI confessou o seu sofrimento perante esta situação, que surge agora de uma forma "verdadeiramente aterradora".

Por Lusa, Hoje, 13 de Maio de 2010"

Acesso em: 13 de Maio de 2010

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Sangue de Jovem Não Corre, Revoluciona!

Li recentemente uma frase que me deixou bem impactado, a frase é esta: “Sangue de jovem não corre, tira racha!”

Realmente é assim, queremos as coisas para já e para agora! Só você imaginar a lentidão da tua net. Se o download demora com certeza a sua impaciência vem em banda larga!

Outros podem usar a frase adaptada: “sangue de jovem não corre, voa”. Prefiro usar:

Sangue de jovem não corre, revoluciona!

Temos uma força forte que corre em nossas veias. Parece redundante, mas não é!

Esta força é forte! Pois vem do próprio Deus. Tem gente demais querendo nos convencer que esta força é fraca! Não se deixe iludir!

Fizemos uma experiência com Jesus, ele nos olhou e mudou a nossa vida! Provocou Revolução! E se ainda não provocou, pare de ler este post e se permita ser olhado por Ele! Ele está perto e está com o olhar fixo em você!

Esta experiência foi e é tão forte que nos faz pegar a vida nas mãos e dá-la um destino, um sentido! Gastar a vida na construção de um mundo mais bacana!

Quero te convidar a se mexer, a provar uma Revolução, algo que vai além de ideologia, mas algo que parte do encontro com uma pessoa! Jesus!

Como você se encontra hoje? Tem vontade de mudar o mundo? Vamos anunciar com a vida que é possível ser outro Cristo!

Apesar das dificuldades, não se deixe desencorajar nem renuncie os seus sonhos!

A vida pode até ser dura e difícil, porém acredite: Ser jovem é ter uma visão além do alcance!

O sangue de Jesus nos libertou! Este sangue revoluciona nossa vida e nos leva a falar mais alto que antes e nos dá a certeza de que é preciso mudar esta realidade!

Está em nossas mãos o futuro! Ou vai viver de passado? Pegue cada chance que tem e faça desta chance a oportunidade de provocar a Revolução Jesus!

Se está no presente, viva-o como ele é, ou seja, um presente! Abra-se e se perceba como presente, como Dom.

Neste post, quero provocar você a uma radicalidade na santidade! A deixar-se atrair por Deus e assim fazer algo para mudar a realidade! Podemos anunciar a vida eterna, e que o céu é uma conquista já garantida com Jesus, mas falta nossa parte!

“Os santos são os verdadeiros reformadores. Só dos Santos, só de Deus provém a verdadeira revolução, a mudança decisiva do mundo. (Bento XVI)

E aí, vamos juntos provocar a Revolução Jesus?

Fonte: Adriano Gonçalves
Revolução de Jesus

quinta-feira, 18 de março de 2010

Que Otros Sean Preferidos

El Cardenal Merry del Val escribió hermosas oraciones.
Ésta es la que rezaba a diario, al terminar la Misa:

Oh, Jesús, manso y humilde de corazón, ¡óyeme!
Del deseo de ser estimado… ¡líbrame, Jesús!
Del deseo de ser amado… ¡líbrame, Jesús!
Del deseo de ser elogiado… ¡líbrame, Jesús!
Del deseo de ser honrado… ¡líbrame, Jesús!
Del deseo de ser ensalzado… ¡líbrame, Jesús!
Del deseo de ser preferido… ¡líbrame, Jesús!
Del deseo de ser consultado… ¡líbrame, Jesús!
Del deseo de ser aprobado… ¡líbrame, Jesús!
Del temor de ser humillado… ¡líbrame, Jesús!
Del temor de ser despreciado… ¡líbrame, Jesús!
Del temor de ser rechazado… ¡líbrame, Jesús!
Del temor de ser calumniado… ¡líbrame, Jesús!
Del temor de ser olvidado… ¡líbrame, Jesús!
Del temor de ser ridiculizado… ¡líbrame, Jesús!
Del temor de ser injuriado… ¡líbrame, Jesús!
Del temor de ser sospechoso… ¡líbrame, Jesús!
Que otros sean más estimados que yo…
Que otros sean más amados que yo…
Que otros crezcan en la opinión del mundo,
Y que yo disminuya…

Que otros sean empleados en cargos,
Y se prescindan de mí…
Que otros sean ensalzados, y yo no…
Que otros sean preferidos a mí en todo…
Que otros sean más santos que yo,
Con tal que yo lo sea en cuanto puedo…
¡Jesús, concédeme la gracia de desearlo!

Fonte: Creer en Cuba

terça-feira, 16 de março de 2010

Clamor Pela Nação: VENCE BRASIL!

Padre Roger Luis, 8 de março de 2010
Canção Nova


Estamos retomando o projeto de oração “Vence Brasil”, que é um chamado de Deus para que um povo se levante em clamor e oração pela nação brasileira,um povo que jejue e ofereça sacrifícios pela libertação do Brasil. É umaconvocação de Deus, é um chamado especial para aqueles que amam o Brasil equerem interceder e pedir a Deus que transforme a nação.

Deus nos chama neste ano de 2010 a direcionarmos o nosso clamor pela libertação política da nossa nação, pois temos visto que ela está subjugada a espíritos malignos que trabalham na esfera da corrupção, aproveitando-se das brechas e falta de caráter de muitos dos políticos que foram colocados para defender o interesse do povo, e acabaram se corrompendo em seus interesses pessoais e partidários. São muitas as maquinações, são muitas as conspirações, existe uma atividade maligna portrás disso tudo, que é a humilhação da nação, que é o desejo de deixar um povo na miséria e na vergonha.

Lembremo-nos daquilo que o Salmo 2 nos traz como revelação: “Por que as nações se revoltam, e os povos conspiram em vão? Os reis da terra se insurgem e os poderosos fazem aliança contra o Senhor e contra o seu Ungido”. (Sl 2, 1-2). É exatamente isso que temos vivido no tempo atual, vemos um projeto diabólico entrando pelas nações que demonstram essa conspiração declarada contra Jesus e a Igreja. No Brasil isso tem um nome de PNDH 3. Vem com uma fantasia de Direitos Humanos, mas de humano não tem muita coisa, tem de desumano, tem intencionalidade de uma aliança contra a vida, contra a liberdade religiosa, contra a liberdade de expressão,projeto assassino, que dá direito ao aborto, que vai totalmente contra osprincípios morais judaico-cristãos, que demonstra uma ausência de ética e de comprometimento com a verdade. Tem muito de diabólico!

Talvez muitos digam, mas padre, isso é humano, isso é coisa dessa terra, não precisa orar. Na verdade, é isso que nosso inimigo quer, ludibriar-nos e levar-nos a pensar que ele não existe ou que ele não tem nada com tudo oque tem acontecido, que não tem nada a ver com essa dimensão da conspiração das nações contra o Senhor e seu Ungido. Quero lembrá-los de algo importante que São Paulo nos indica: “Fortalecei-vos no Senhor, no poder de sua força; revesti-vos da armadura de Deus, para que possais resistir às ciladas do diabo. Pois a nossa luta não é contra o sangue e a carne, mas contra os principados, as potestades, os dominadores deste mundo tenebroso, os espíritos malignos espalhados pelo espaço”. (Ef610-12). O que é problema jurídico, deixemos com a Justiça; aquilo que é caso de polícia, deixemos com a Polícia; mas aquilo que diz respeito ao mundo sobrenatural cabe a nós que vivemos no sobrenatural e entendemos que esse grande combate que o Brasil vive, que a política vive, tem cunho espiritual, tem uma ação demoníaca por trás.

Eu amo o Brasil e quero me comprometer com a nossa nação em oração e quero convidar você ao mesmo, a comprometer-se com sua nação em oração, com esse ano eleitoral pedindo a Deus mudança e clareza, que todas as mentiras e maquinações venham à tona e o povo brasileiro desperte pela verdade. Que toda mentira que muitas vezes tem sido repetida e tem se transformado em “verdade”, possa cair por terra e a verdade venha à tona. Vamos orar peloBrasil? Vamos nos comprometer?

Me lembro o que Nossa Senhora em Medjugorje indicou para o povo cristão no período em que o país estava sendo assolado pelo flagelo da guerra. Ela disse que a guerra só acabaria quando o povo rezasse o rosário e jejuasse em intenção da libertação da nação. O povo obedeceu, a guerra acabou, o comunismo caiu. Gente, “tudo pode ser mudado pela força da oração”, precisamos acreditar nisso, temos que ter visão espiritual e nos comprometer em oração pelo Brasil! VENCE JESUS NA TERRA DE SANTA CRUZ! VENCE BRASIL!

Eu creio e quero que muitos acreditem comigo nesta força que só o Senhortem para libertar a nação brasileira. Unamo-nos em oração. Já podemos começar pelo rosário e pelo jejum. Já é uma direção de Deus, quero conclamar o povo católico, o povo cristão a unir-se em oração pelo Brasil. Eu creio, creiamos juntos, depositemos nossa fé no Senhor. Como a guerra acabou naquela nação pelo poder da oração, a corrupção e a ação maligna no Brasil vai cair pelo nosso comprometimento na oração pela nossa nação! Estamos unidos sempre!
Conte comigo e com minhas orações!

Deus abençoe!"

Pe. Roger Luis
Canção Nova


sábado, 13 de março de 2010

A Situação da Igreja no Brasil

Pe. Demétrio Gomes da Silva

Prof. Felipe Aquino

A cada dia intensifica-se um laicismo anti-católico no Ocidente, uma afronta a nossas raízes cristãs. No entanto, não percebemos uma reação forte por parte dos católicos. Podemos notar que também no Brasil o mesmo é crescente. A Igreja é colocada cada vez mais como a vilã da história e da sociedade, contrária ao progresso, etc. Tudo isso, porque tem a coragem de denunciar seu comportamento pecaminoso no que fere a lei de Deus, inscrita no coração de cada homem: aprovação ao aborto, a união legal de pessoas de mesmo sexo - com adoção de crianças -, manipulação genética de embriões - como se fossem seres descartáveis -, inseminação artificial, eutanásia, suicídio assistido, controle egoísta da natalidade, distribuição de camisinhas e de pílulas do dia seguinte aos jovens etc.
A Igreja Católica, que é a Lumem gentium (Luz dos povos) faz a Luz de Cristo brilhar nas trevas deste mundo, missão que o Senhor lhe confiou, mas as trevas gritam contra ela. “... a vida era a luz dos homens; e a luz brilha nas trevas, mas as trevas não a compreenderam... Ele estava no mundo, e o mundo foi feito por meio dele, mas o mundo não o reconheceu” (Jo 1, 4-10).
Em nosso Brasil, a maioria do povo diz ser católica, nossas raízes são católicas, nossa cultura e nossa tradição são católicas, mas esse povo infelizmente é quase analfabeto em doutrina, e muitas vezes alienado da realidade política e social; isso o deixa a mercê das seitas e de minorias que desejam implantar ideologias contrárias à fé da maioria. Esse povo bom, mas inculto, que na sua maioria não lê um jornal ou revista, e só se informa pela televisão, facilmente se deixa enganar até mesmo por um governo que propõe medidas ofensivas a moral católica, como acontece agora com o Plano Nacional de Direitos Humanos – 3, que é desumano. Este Plano, por exemplo, propõe a aprovação do aborto, do casamento de pessoas do mesmo sexo com adoção de filhos, a retirada dos símbolos religiosos católicos das repartições públicas, restringe a livre expressão das idéias, incentiva as invasões de propriedades alheias, limita a ação da justiça nas reintegrações de posse a seus legítimos donos, sugere a revisão da Lei da Anistia, ameaçando agitar a sociedade etc.

No entanto, em que pese toda manifestação dos bispos, a maioria da população católica parece ainda inerte, imóvel, omissa, como se nada estivesse acontecendo. Ou não toma conhecimento dos fatos ou o ignora de maneira alienante. Também grande parte do povo católico se satisfaz com o pão e o circo oferecidos pelo governo que age de maneira imoral. Esse povo não reage nem mesmo quando a fé católica é ofendida, a Igreja atacada, os sacramentos profanados, os santos ridicularizados e muitas vezes caricaturados, etc.

Estamos sofrendo uma guerra declarada. Já vivemos um martírio incruento, e não será surpresa se em breve se tornar cruento, também em nosso país, como acontece hoje na Índia, no Iraque, na Arábia Saudita etc., onde milhares de cristãos são mortos pelo simples crime de seguirem a Jesus Cristo.

Como unir e acordar esse povo católico, para que de maneira organizada e ordeira enfrente essa onda anti-católica que atravessa o mundo e também o Brasil?
As forças do ateísmo e do laicismo anti-católico atuam fortemente nas universidades, na mídia e nos movimentos sociais, que se apóiam o governo e se beneficiam de seus recursos. Infelizmente um segmento da Igreja, avesso à autoridade da Igreja, desobediente ao que vem da Santa Sé, favorece muitas vezes a rebeldia contra a própria Igreja e fortalece o laicismo. Pois “Todo reino dividido contra si mesmo será destruído. Toda cidade, toda casa dividida contra si mesma não pode subsistir”. (Mt 12, 25).
Em nossa Igreja no Brasil, com uma desviada hermenêutica da chamada "opção preferencial pelos pobres", acabamos abandonando os postos chaves na sociedade que outrora ocupávamos: as universidades, os laboratórios científicos, o mundo da cultura etc. Deixamos, assim, espaço aberto para que os marxistas pudessem fazer a cabeça daqueles que são hoje a cabeça da sociedade.

Infelizmente, não só no governo atual, mas também na Igreja, vemos o incentivo da política do "pão e circo". Reunimos multidões de fiéis, lhe damos-lhes palavras bonitas - e tão vazias de conteúdo! -, algumas lágrimas e sentimentos à flor da pele. Muitos saem contentes, e tudo termina em nada... A profecia de Oséias é atualíssima: "Meu povo perece por falta de conhecimento" (Os 4,6). Já é hora de queremos deixar de contentar-nos com sermos cristãos superficiais. Precisamos dar-lhes alimento sólido, que os fortaleça na fé, tornando-a inabalável diante de qualquer contrariedade. O povo tem sede de verdade, mesmo que seja duro ouví-la. Chega de pregações adocicadas, que não dizem nada! Cristianismo não é poesia! Precisamos de cristãos totalmente informados pela fé, que a testemunhem por toda parte, e não somente nas sacristias de nossas paróquias.
É preciso levar o povo católico a conhecer a verdade, ser informado, e deixar de ser manipulado; este é o grande desafio atual. Pensamos que a Igreja é capaz de furar essa crosta que impede esse povo bom e desinformado de tomar conhecimento e participar da luta contra, por exemplo, esse PNDH, porque a mídia jamais vai fazer isso. Como diz Pe. Paulo Ricardo "há uma espiral de silêncio" que precisa ser quebrada.

Temos que unir forças. Voltar a conquistar estes meios. Construir uma rede com as pessoas boas - não só na intenção, mas com qualidade espiritual, humana, profissional - e organizar com inteligência nosso apostolado. Temos a firme esperança aí que não contamos somente com meios humanos, e, por isso, devemos ser audazes. Nesse sentido, não podemos esquecer que, antes de qualquer técnica de ação, devemos estar inteiramente unidos a Deus através de nossas armas sobrenaturais. Daí deve derivar, diante de tudo, um profundo otimismo, não ingênuo, mas espiritual, fruto da convicção de que com Ele nos tornamos onipotentes.
Os filhos das trevas são os que deveriam tremer diante de nós, pois nossas armas são muitíssimo mais eficazes. Além de todo auxílio sobrenatural - que nos torna infinitamente superiores nesta guerra -, temos nossos púlpitos - quantos brasileiros vão a Santa Missa dominical! -, temos vários meios de comunicação - TV, jornais, internet -, e contamos - apesar de tudo - com grande credibilidade por parte de nosso povo brasileiro: eles confiam na Igreja!
O que fazer de concreto? Além da luta pela santidade - que é o que mais conta - já que é o Senhor o protagonista dessa luta -, devemos estreitar nossa rede de contato. Tentar entrar mais nesses meios que possuímos. Mais encontros de formação, retiros para os intelectuais, universitários, cientistas, jornalistas para atingir o povo.

É urgente levar esse povo católico, em massa, a participar, escrever às autoridades, aos políticos, fazer manifestações organizadas e ordeiras; sim, esse povo que vai à Missa, a grupos de oração, que participa dos novos Movimentos e das novas Comunidades, que prega o Evangelho da salvação pelo Rádio, pela TV, pela internet, etc. Aqui entra, sem dúvida, o papel importante das televisões católicas. Enfim, é preciso uma ação unida, coordenada, de todos os católicos frente a tudo que estamos vendo de errado sobre bioética, corrupção, PNDH, etc.

É preciso envolver as realidades que querem ser fiéis à Igreja (Opus Dei, Regnum Christi, Comunhão e Libertação, Caminho Neocatecumenal, Cursilhos de Cristandade, Renovação Carismática, Equipes de Nossa Senhora, Serra Clube etc.) e Comunidades de Vida (Canção Nova, Shalom, Obra de Maria etc.), incluindo também as paróquias e dioceses; além dos políticos católicos. Revelar ao mundo a unidade transcendental da Igreja, que nos une por cima de toda diferença. “Nisto conhecerão que sois meus discípulos...” (Jo 13,35).

É claro que isso é algo difícil, muito difícil, mas se todos nos mobilizarmos no sentido de buscar essa união podemos fazer algo. Será preciso “grandeza de alma” para se colocar as exigências do Reino de Deus acima das nossas. Não adianta permanecermos entre nós com choros e lágrimas, como se fossemos uma "equipe de consolo mútuo". Muita gente silenciosa está descontente com tudo isso; é preciso envolvê-los. Há muitos sites na internet que mostram isso. E esse é um instrumento poderoso de articulação hoje.

Os inimigos da Igreja estão articulados e as forças da Igreja estão esparsas; esse é o problema. Receamos que se não fizermos algo hoje, amanhã talvez seja tarde, e quem sabe as leis não nos permitam amanhã pregar contra a homossexualidade, o aborto, o sexo livre, ... e tudo o que é contrário à lei de Deus.

Sabemos que a audácia dos maus se alimenta da omissão dos bons. Não podemos fugir deste mundo, e muito menos simplesmente condena-lo. Jesus disse que não veio para condenar o mundo, mas para salva-lo; a nós cabe fazer o mesmo.

Ao vislumbrar o terceiro milênio da cristandade, o Papa João Paulo II convocou os cristãos para “pescar em águas mais profundas”, onde se encontram peixes mais numerosos e maiores. João Paulo II e Bento XVI nos enviam para alto mar (“duc in altum”). E para isso é preciso estarmos preparados; o mar é bravio, podem surgir as tempestades a qualquer momento, ondas altas, vento forte, ameaçando virar a barca.

Não podemos mais ficar pescando na praia, com varinha de bambu, linha fina e anzol pequeno. A evangelização, a conversão de almas para Deus, não é um passa-tempo; mas uma missão árdua, que precisa ser cumprida com esmero: preparo e oração. Não é fácil arrancar as presas dos dentes do lobo cruel e assassino. “Sem Mim nada podeis fazer” (Jo 15,5).

Mas, é preciso também o preparo. Paulo VI disse que a mediocridade ofende o Espírito Santo. Deus está pronto para mover os céus para realizar o que está além da nossa natureza, mas não moverá uma palha para fazer o que depende de nós. Ele faz o grão germinar, mas jamais virá preparar o solo e nele lançar a semente: “O Deus que te criou sem ti, não te salvará sem ti” (Santo Agostinho, Sermo 15,1).

O Papa João Paulo II na memorável vigília da Solenidade de Pentecostes no ano de 1998, mostrou a grande responsabilidade que têm, neste sentido, os novos Movimentos e as novas Comunidades:

“No atual mundo, frequentemente dominado por uma cultura secularizada que fomenta e propaga modelos de vida sem Deus, a fé de tantos é colocada à dura prova e frequentemente sufocada e apagada. Adverte-se, portanto, com urgência a necessidade de um anúncio forte e de uma sólida e profunda formação cristã. Como existe hoje a necessidade de personalidades cristãs maduras, conscientes da própria identidade batismal, da própria vocação e missão na Igreja e no mundo! E eis, portanto, os movimentos e as novas comunidades eclesiais: eles são a resposta, suscitada pelo Espírito Santo, a este dramático desafio no final do milênio. Vós sois esta providencial resposta”.

O mundo expulsa Deus cada vez mais; o secularismo toma conta da cultura, da mídia, da moda etc., a chama da fé é cada vez mais apagada nos lares, nas escolas e nas oficinas. O Papa pede “uma sólida e profunda formação cristã”. Sem isso não será possível pescar em águas profundas. Sem um bom conhecimento da doutrina, do Catecismo da Igreja especialmente, não poderemos dar ao mundo “a razão da nossa fé” (cf. 1Pe 3,15).

O Papa pede também “personalidades cristãs maduras”, certamente não só sacerdotes e bispos, mas leigos preparados, capazes de adentrar aos muros às vezes adversos das universidades, cinema, teatro, música, artes, meios de comunicação, política etc.

Ao lançar a Igreja em direção ao novo milênio, o Papa João Paulo II fez mais um forte apelo: “Uma nova evangelização!”. Se ele pediu uma “nova” é porque a anterior envelheceu; não certamente no seu conteúdo, mas na sua forma. Ele pediu: “com novo ardor, novos métodos e nova expressão”. O que significa isso?

Novo ardor, certamente no fogo do Espírito Santo que tem suscitado os movimentos e as Comunidades que brotam a cada dia. Sem esse “fogo” do céu, não haverá nova evangelização. Façamos sim planos e reuniões, projetos e programas, mas sob o fogo do Espírito, sem o qual tudo não passará de letra morta. Quanto tempo e energia já se perdeu por falta desse ardor do Espírito!
Novos métodos é certamente o que temos visto nas Comunidades e Movimentos: uma evangelização com um jeito novo: nas casas, nos rincões, pelas rádios, TVs, jornais, revistas, encontros, seminários, adorações, acampamentos de oração e estudo... É a “Primavera da Igreja” como dizia João Paulo II.

Nova expressão, uma nova maneira de viver o Evangelho, não mais individualista, mas em grupo, em comunidade, comprometidos conjuntamente com o trabalho do Reino do céu, na fraternidade, na correção fraterna, no amor mútuo, no compromisso com Deus e com a Igreja, “cum Petro e sub Petro”.
Vemos assim que a Igreja acredita profundamente nas Comunidades e Movimentos novos, que precisam se preparar, como verdadeiras “Companhias de Pesca”, e se lançarem sem medo, em nome do Senhor, em águas mais profundas, e buscar os grandes peixes.
Autores: Prof. Felipe Aquino e Pe. Demétrio Gomes da Silva

quinta-feira, 11 de março de 2010

Se Amar Fosse Fácil

Se amar fosse fácil,
não haveria tanta gente amando mal,
nem tanta gente mal amada.

Se amar fosse fácil,
não haveria tanta fome,
nem tantas guerras,
nem gente sem sobrenome.

Se amar fosse fácil,
não haveria crianças nas ruas
sem ter ninguém,
nem haveria orfanatos,
porque as famílias serenas
adotariam mais filhos,
nem filhos mal concebidos,
nem esposas mal amadas,
nem mixês,
nem prostitutas.

E nunca ninguém negaria
o que jurou num altar,
nem haveria divórcio
e nem separação, jamais...

Se amar fosse tão fácil,
não haveria assaltantes
e as mulheres gestantes
não tirariam seu feto.

Nem haveria assassinos,
nem preços exorbitantes
nem os que ganham demais,
nem os que ganham de menos.

Se amar fosse tão fácil
nem soldados haveria,
pois ninguém agrediria,
no máximo ajudariam
no combate ao cão feroz.

Mas o amor é sentimento
que depende de um "eu quero",
seguido de um "eu espero";
e a vontade é rebelde,
o homem, um egoísta
que maximiza seu "eu";
por isso, o amor é difícil.

Jesus Cristo não brincava
quando nos mandou amar.
E, quando morreu amando
deu a suprema lição.
Não se ama por ser fácil,
ama-se porque é preciso!

Pe. Zezinho, scj

Fonte: www.muraljoia.com.br

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

A Maior de Todas as Histórias de Amor

"Antes que Eu criasse o mundo e todas as coisas, Eu já pensava em você… Eu já o conhecia pelo nome e desejava que você viesse ao banquete da vida. Queria que você participasse da Minha Vida e des­frutasse de toda a riqueza da Minha divindade… Foi por isso que Eu o criei. Eu o teci no ventre de sua mãe, cuidadosamente, e o amei com amor eterno. Eu o fiz à Minha semelhança para que você pudesse compartilhar Comigo de todos os Meus bens inefáveis. Dei-lhe faculdades e potências que não coloquei em nenhum dos outros seres criados: inteli­gência, vontade, memória, consciência, capacidade de amar; de sonhar; de sorrir; de chorar, de cantar; de falar… Não sei se você já percebeu que você é o único ser vivo capaz de sorrir, abraçar e derramar lágrimas de emoção diante da dor e do belo. Como Eu fiz você belo!

As pedras não sonham como você, as árvores não falam como você e os animais não podem sorrir e cantar como você. Só a você Eu permiti que fosse assim tão cheio de dons, porque só você foi feito à Minha Imagem.

Eu o fiz para Mim. Eu o fiz para viver Comigo sempre, na terra e no céu. Eu sou o Seu Senhor. Você é Meu. Sou louco de amor por você e não aceito perdê-lo de forma alguma, porque você é Minha criatura predileta, Minha glória sobre a terra, Minha maior honra. Eu o amei tanto que quis lhe dar o maior dom: a liberdade. Meu amor por você exigia que Eu o fizesse livre, capaz de decidir pela inteligência, e não escravo dos instintos como os animais irracionais. O amor exige que se dê a liberda­de! Eu sabia que você poderia usar mal desta liberdade. Eu sabia, sim, que você poderia até Me rejeitar, Me abandonar e não querer ouvir a Minha voz e nem ouvir os Meus conselhos… e até me virar as costas. Mas, se Eu não lhe desse a liberdade, você não seria Minha Imagem; seria apenas como um robô ou como uma marionete. Por isso Eu o fiz livre. Não quis você limitado e frio como um computador ou como um tele-guiado.

Na verdade, fiquei desesperado quando você Me rejeitou, Me abandonou e achou que podia ser feliz sem Mim. Fiquei angustiado quando você matou em si mesmo a vida eter­na que lhe dei, separando-se de Mim que sou a fonte da Vida. Sofri demais quando você virou-Me as costas e abandonou o céu e a Mim para sempre. Então, no Meu amor infinito por você, resolvi vir ao mundo para salvá-lo. Me fiz como você, de carne e osso. Nasci de uma santa mulher, que o Pai tinha escolhido e preparado desde a eternidade. Eu assumi a sua natureza humana e nela escondi a Minha divindade para poder falar com você e mostrar-lhe ansiosamente o Caminho da vida.

E depois, depois de lhe ter mostrado todo o Meu amor, com Minhas palavras e milagres, quis amá-lo até o extremo Sacrifício, para que você nunca duvidasse do meu amor por você. Eu Me deixei matar em seu lugar, conscien­temente, para que a Minha morte destruísse a sua, e a Minha ressurreição lhe devolvesse vida eterna junto de Mim. Nunca alguém sofreu e amou tanto quanto Eu sofri e amei você. O Cria­dor morreu por Sua criatura. Como disse uma vez ao Meu querido filho Santo Antônio: “Eu vim até você para que você pudesse voltar para Mim”. E mais ainda: Para ficar com você para sempre, Eu Me fiz pão e vinho. Sei que você não pode compreender as loucuras do meu amor por você…, mas Eu o fiz para poder ficar com você.

Quando se ama alguém, não se consegue ficar lon­ge da pessoa amada. Fiz tudo isso por você, por amor a você. Mas, infelizmente, você ainda não reconhece o Meu amor. Você ainda Me despreza e abandona. Eu lhe ofereço a Minha vida nos Evangelhos, mas você prefere outras leituras vazias… e às vezes perigosas. Eu lhe ofereço o Meu próprio Corpo imolado e Meu Sangue derramado, testemunhas do Meu amor, mas você os des­preza totalmente, dizendo: “Isso é coisa de velhos e de crianças…” Eu lhe ofereço a Minha presença viva em todos os Sacrários, mas você não acredita que estou ali…

Sabe, eu quero te confidenciar, o que mais fere o meu coração é a sua ingratidão e a sua indiferença. Você entra na Minha casa, a Igreja, e não Me olha, não Me fala, não se une a Mim… Sua desconfiança Me sangra o coração. E Eu, esperando ansiosamente, dese­jando ao menos por um minuto receber a retribuição do seu amor. Mas parece que o mundo malvado deixou você cego, surdo e mudo para Mim.

Será que o mundo matou o Meu amor em você? O que mais eu poderia ter feito por você? Não foi bastante a Minha Cruz?… O pior de tudo é que por causa disso você perdeu a paz, perdeu o sentido da vida e vive agora sem rumo, triste e sofredor, envelhecido antes da hora. Eu derramei todo o Meu sangue na cruz e morri de dor; para que os seus pecados fossem perdo­ados, mas você despreza o Meu perdão, despreza os Meus sacerdotes e o sacramento da Penitência.

Como você é ingrato Comigo! Mas Eu continuo aqui a esperá-lo; nunca Me cansarei porque você é Meu e tenho ciúme de você. Sei que um dia você virá. Quando a “mentira do mundo” cair a seus pés, você se lembrará de Mim. Então, como aquele Pai, Eu farei uma grande festa para você, pois como entendeu perfeitamente o Meu querido Agostinho de Hipona: “Eu o criei para Mim, e o seu coração vive inquieto enquanto não repousar em Mim.”

Prof. Felipe Aquino
Fonte: Blog do Professor Felipe Aquino, acessível no link